• Dra. Denise Muniz

Gestantes poderão se vacinar? #COVID-19



A vacinação contra a COVID-19 é uma preocupação para as gestantes, puérperas e lactantes, afinal, elas configuram um grupo de risco, já que dados mostram que há maior risco de hospitalização e óbito entre elas. Por outro lado, algumas mamães ainda se sentem inseguras em relação à vacina, parte desse medo se deve a notícias falsas ou inverdades que circulam pela internet. Então vamos aos fatos? Confira o que já sabemos sobre a vacinação entre gestantes, puérperas e lactantes.


Há maior risco de doença grave entre as gestantes e parto prematuro


Embora o risco geral de doença grave seja baixo, as gestantes e as recém-grávidas apresentam um risco maior de contrair doenças graves que requerem hospitalização, cuidados intensivos ou um ventilador ou equipamento especial para respirar, ou doenças que resultam em morte.


Além disso, as grávidas com COVID-19 apresentam risco aumentado de parto prematuro e podem apresentar risco aumentado de outros resultados adversos da gravidez em comparação com mulheres grávidas sem COVID-19.



Mães que estão amamentando podem tomar a vacina para COVID-19

Relatórios recentes mostraram que pessoas que amamentam que receberam vacinas de mRNA COVID-19 têm anticorpos em seu leite materno, o que pode ajudar a proteger seus bebês. Mais dados ainda são necessários para determinar qual proteção esses anticorpos podem fornecer ao bebê.


De qualquer forma, graças ao movimento “Lactantes pela Vacina”, esse grupo tem conquistado o direito de se vacinar já que, como diz o slogan da campanha: “Uma vacina vale por dois”.


O Governo de Minas Gerais já autorizou a imunização de lactantes, no entanto, fica a critério de cada município a inclusão desse público nos grupos prioritários, bem como a decisão sobre o redirecionamento das doses para as lactantes. No entanto, a única ressalva entre as vacinas da COVID-19 distribuídas no Brasil diz respeito a AstraZeneca/FioCruz, cuja aplicação em gestantes foi suspensa.


A vacina contra COVID-19 não causa infertilidade


Se tentar engravidar agora ou no futuro, os futuros pais podem receber uma vacina COVID-19.


Diferentemente das notícias falsas que circularam nas redes, atualmente, não há evidências de que quaisquer vacinas, incluindo vacinas COVID-19, causem problemas de fertilidade feminina ou masculina.

Além disso, não é necessário realizar o teste de gravidez antes da vacinação, afinal, como vimos antes: a vacina protege tanto a mãe quanto o bebê!


Se você está tentando engravidar, não precisa evitar a gravidez após receber a vacina da COVID-19. Como com todas as vacinas, os cientistas estão estudando agora as vacinas da

COVID-19 cuidadosamente para os efeitos colaterais e irão relatar as descobertas assim que estiverem disponíveis.


Em resumo, o que sabemos até o momento é suficiente para afirmar que a vacina é segura tanto para grávidas, puérperas e lactantes, quanto para seus bebês. Ainda assim, vale dizer que caso tenha qualquer dúvida, seu médico pode ser consultado para discutirem a decisão.


16 visualizações