• Dra. Denise Muniz

Anel vaginal, o que você precisa saber sobre esse método contraceptivo


Se você nunca conseguiu se adaptar à pílula anticoncepcional porque vive esquecendo um comprimido ou outro da cartela, o anel vaginal pode ser o meio termo que você precisa para aderir a um método contraceptivo hormonal sem precisar se comprometer com um método de longo prazo.


Continue lendo esse conteúdo que vou te contar tudo o que você precisa saber sobre esse método contraceptivo.


ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS

Primeiramente, é interessante que você saiba que os métodos contraceptivos podem ser classificados como não-hormonais ou hormonais.


Os nomes são bem sugestivos, não é mesmo? Mas a critério de curiosidade, vale destacar que os métodos de contracepção não-hormonais, como preservativos ou o dispositivo intrauterino de cobre (DIU), não alteram os níveis naturais ou funções dos hormônios no corpo, enquanto, como o nome sugere, contraceptivos hormonais alteram os níveis normais de estrogênio, progesterona e outros hormônios.


Os contraceptivos hormonais geralmente contêm formas alternativas de estrogênio e/ou a forma sintética da progesterona chamada progestagênio.


Em geral, os contraceptivos hormonais mais comuns impedem a ovulação, uma vez que esses métodos interrompem os padrões habituais de produção de hormônios reprodutivos e impedem que os ovários liberem óvulos.


COMO FUNCIONA

O anel é inserido no primeiro dia da menstruação, permanecendo por 21 dias e só será retirado para a pausa de 7 dias.


Uma vez optando por esse método, você deverá inserir o anel na vagina, no formato de um 8 e empurrá-lo com o dedo até não o sentir mais. E não precisa se preocupar, é fácil, não interfere na relação sexual, e a maioria das usuárias e seus parceiros não sentem nenhum incômodo durante a relação sexual nem mesmo a presença do anel.


Como comentei anteriormente, se trata de um contraceptivo hormonal, e como a maioria das pílulas anticoncepcionais, o anel contém os hormônios estrogênio e progesterona.


Ao usar anel, o revestimento vaginal absorve os hormônios, agindo de forma a impedir que o espermatozoide se junte a um óvulo (o que é chamado de fertilização).


Quando usado corretamente, a prevenção é de 99%, tão eficaz quanto as pílulas combinadas mais modernas e com doses mais baixas de hormônios. Ou seja, benefícios em dobro!


E ainda é o método que mais traz um controle adequado do ciclo para quem costuma ter escapes.


6 DICAS SOBRE COMO USAR CORRETAMENTE O ANEL VAGINAL

1. Adicione os dias de remoção / substituição do anel ao seu calendário.

2. Use despertadores ou aplicativos específicos para lembrete.

3. Peça ajuda para o seu parceiro para lembrar. Afinal, a responsabilidade pela contracepção é de ambos, certo?


Mas o mais importante é se lembrar que não existe receita de bolo, ou seja, faça o que funcionar para você! A melhor forma de se lembrar de trocar o anel todo mês dependerá da sua rotina, dos seus hábitos, dos aplicativos que você mais acessa (pode ser o Google agenda, pode ser um simples despertador…).


E, claro, o recado que sempre fica quando falamos sobre contracepção é que nenhum método contraceptivo é 100% eficaz e por isso você também pode usar um preservativo sempre que fizer sexo com o pênis na vagina. Dessa forma, você também estará protegido contra ISTs.


Fonte: Planned Parenthood

66 visualizações